segunda-feira, 2 de maio de 2011

Roupa de Garrafa PET

Sabe aquelas prosaicas garrafinhas de plástico de refrigerantes, feitas com um sub-produto do petróleo, o PET? Por incrível que pareça, elas são a matéria-prima de mantas e xales macios e resistentes, tecidos produzidos artesanalmente em teares mineiros de madeira em Espírito Santo do Pinhal, no interior de São Paulo. Ao apreciá-los, fica difícil imaginar que eles vêm daquelas garrafas responsáveis por 50% dos entupimentos de bocas-de-lobo da capital paulista.

"Enquanto não dá para evitar o consumo de PET, que ele pelo menos seja reciclado", diz Márcio Araújo, coordenador do IDHEA (Instituto para o Desenvolvimento da Habitação Ecológica), que vem promovendo uma exposição com o vestuário e acessórios ecológicos.

Daniela Moreau, dona da Baobá, a empresa que confecciona estes xales e mantas, conta que a idéia surgiu a partir da vontade de usar fios "ambientalmente corretos" na tecelagem. "Comecei usando resíduos da indústria da seda. Depois conheci o trabalho da Patagonia, empresa norte-americana que produz roupas para esportes e que utilizam tanto o PET reciclado como a algodão orgânico produzido sem agrotóxicos". Decidida a procurar estas matérias-primas aqui no Brasil, Daniela chegou a Unnafibras, empresa que produz fibras de poliéster a partir de garrafas PET recicladas.

Ela explica que o processo de reciclagem é complicado na primeira etapa, quando se coleta, se separa por cores, se limpa e descontamina as garrafinhas. Depois elas são picadas e viram flakes, material equivalente aos pellets de poliéster virgem que são usados para fazer inúmeras fibras. "É um processo industrial complexo, mas é super viável", diz ela. "O preço do material reciclado acaba ficando equivalente ao do feito com material virgem e com impacto ambiental totalmente positivo". Segundo Daniela, a Unnafibras processa cerca de 750 toneladas por mês de garrafas PET.

Além das fibras ecológicas, a Baobá usa tingimento vegetal (com plantas) para dar cor ao algodão orgânico e seda. Para os fios de garrafa, eles usam um corante da BASF que não contém metais pesados.


Fonte: Planeta na Web.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário